Teletrabalho

O que mudou com o teletrabalho?

Ao longo dos últimos 11 meses a Noesis apostou num conjunto de estratégias para fortalecer a ligação dos seus talentos com a organização à distância, segundo escreveu Teresa Lopes Gândara, Human Capital Director da Noesis.

A pandemia obrigou a novas formas de trabalhar e de relacionamento e, embora motivar equipas à distancia não seja fácil, há quem consiga reinventar-se. Até com resultados melhores do que o esperado

O teletrabalho tornou-se no “novo normal” e se muitas tecnológicas já tinham estratégias definidas nesse sentido, o atual contexto não deixou de colocar desafios a diversos níveis, em particular na ligação entre equipas e nos “laços” com a própria empresa. Trabalhar à distância obrigou a assegurar a resposta a circunstâncias diferentes, mas não faltou capacidade criativa para encontrar alternativas e novas estratégias para motivar os colaboradores. 

Motivação à distância a quanto obrigas
O atual contexto trouxe novos desafios a diversos níveis para as empresas, em particular na ligação entre equipas e com a própria empresa, com a passagem de uma realidade em que havia equipas juntas diariamente, para uma em que as equipas trabalham e convivem digitalmente. A distância obrigou as empresas a serem criativas, considera a Noesis, que indica ter apostado também num conjunto de estratégias para fortalecer a ligação dos seus talentos com a organização, para “assegurar o acompanhamento contínuo com o apoio das chefias e promover a segurança no teletrabalho”, como pontos fulcrais da comunicação e interação com os colaboradores. Foi criada uma newsletter específica para estes períodos de maior isolamento, a #StayConnected, e lançados workshops online, apresentados pelos colaboradores, que, “desde o primeiro momento”, se mostraram disponíveis para partilhar algumas das atividades que realizam depois do trabalho.
“Descobrimos vários talentos escondidos e que pudemos partilhar com todos: verdadeiros especialistas em fotografia, cozinha saudável, dança, desporto e muito mais”.
Foi igualmente criado um espaço para fóruns online, onde os colaboradores têm a possibilidade de discutir temas de várias áreas, desde gestão de equipas, o que esperar do pós-pandemia, como gerir teletrabalho e vida pessoal e como tirar o melhor partido das funcionalidades do Teams. A empresa optou igualmente por continuar a dinamizar o programa de formação de talentos, a Noesis Academy, contribuindo para a sua realização profissional e pessoal. “Estas ações têm como principal objetivo ajudar os nossos talentos a ultrapassarem esta fase de confinamento de uma forma mais saudável mental e fisicamente”. Contam também com várias ferramentas que permitem auscultar as necessidades e preocupações dos colaboradores, que nos permitem adequar as nossas ações. O objetivo é claro: “manter a cultura que vivemos na Noesis e fomentar o contacto entre colaboradores de equipas distintas. Tem sido bastante recompensador e achamos que tem sido uma peça fundamental ao longo destes últimos 11 meses”.

Teresa Lopes Gândara
Teresa Lopes Gândara, Human Capital Director, Noesis