Redes Sociais

Como manter a sua empresa atrativa nas redes sociais?

Employer Branding e redes sociais? A combinação perfeita para reter talentos e dar a conhecer a cultura da empresa.

Não há como negar que, numa altura em que as empresas necessitam de se manter atrativas, o papel do employer branding torna-se impreterível. Se o digital é agora o meio onde tudo acontece, como podem as empresas explorar as redes sociais para atrair, selecionar e reter talento?

As redes sociais são ferramentas que permitem envolver colaboradores e atrair novos talentos, pelo que a presença de uma marca nestas plataformas é uma alavanca no que respeita à estratégia de employer branding. Estas ferramentas servem o seu propósito enquanto instrumentos de pesquisa por parte de candidatos, e enquanto plataformas de divulgação de vários tipos de conteúdo por parte das empresas. E não é só – hoje em dia, as redes sociais são usadas nos processos de recrutamento como uma base para a avaliação de fatores psicológicos e psicoafetivos, e das soft skills dos candidatos.

Principalmente numa altura em que as medidas de combate à pandemia impossibilitam as visitas às instalações de uma empresa, torna-se ainda mais necessário que os canais digitais, como as redes sociais, revelem aos possíveis candidatos e futuros colaboradores a cultura e o ambiente organizacional. Na Noesis, a estratégia de employer branding e recruitment marketing passa exatamente por refletir a cultura, o ambiente, a visão e a missão da empresa nas redes sociais. «Uma cultura interna saudável é a base para podermos ser uma love brand e uma marca atrativa no mercado, para novos talentos, mas também para clientes.» Teresa Lopes Gândara, Human Capital Director na Noesis, acredita que não há ninguém melhor para ajudar a promover a cultura e o ambiente que se vive na organização do que os próprios talentos da empresa. Assim, a Noesis escolhe partilhar nas suas redes sociais as iniciativas que desenvolvem interna e externamente no âmbito da valorização de uma força de trabalho diversificada e inclusiva; disto são exemplo a celebração do Pride Month, do Dia das Mulheres, e de Raparigas na Ciência, iniciativas que pretendem refletir os valores e o compromisso social da empresa.

Atrair, selecionar e reter através das redes sociais

Não restam dúvidas de que atualmente as redes sociais são essenciais para a retenção, seleção e atração de talento. São ferramentas que podem tornar os processos de recrutamento mais rápidos, mais económicos e eficazes. A rede social LinkedIn, uma das maiores redes laborais atualmente, é utilizada pelas empresas não só como plataforma de divulgação de anúncios de emprego, como também de pesquisa de candidatos e triagem. As redes sociais podem efetivamente ser um trunfo no que respeita à conexão com o público e ao alcance da mensagem, à construção de uma marca e à identificação de candidatos com perfis de talento diversificados – e tudo isto pode ser possível sem o aumento de custos para as empresas. E se as redes sociais desempenham um papel de importância indiscutível no que respeita à atração de talento, também se revelam de grande valor para a retenção e para a construção de uma boa imagem interior. «Sabemos que os nossos targets utilizam redes sociais, na sua grande maioria, e sabemos mesmo quais são as redes sociais mais utilizadas pelos nossos talentos e pelos nossos candidatos. Por isso, é fundamental definir e implementar estratégias de employer branding que contemplem estes canais de comunicação, tendo em conta os dados que temos.» Teresa Lopes Gândara explica de que forma as redes sociais revelam o seu valor a nível da retenção de talentos na Noesis: «Em termos de retenção, um dos nossos objetivos é dar voz aos nossos talentos nas nossas redes sociais, quer através da promoção de artigos da sua autoria, quer através da sua participação em workshops, palestras e talks, organizados internamente ou externamente, e também através das iniciativas criadas especificamente para as redes sociais, cujo foco está na partilha da sua experiência e dia a dia na organização. Acreditamos que esta é uma boa forma de valorizarmos os nossos profissionais, de melhorarmos o engagement dos colaboradores com a organização e a sua motivação, contribuindo também para dinamizar a cultura da organização.» E acrescenta: «São os nossos talentos que nos ajudam a desenvolver a nossa proposta de valor enquanto empregadores (employee value proposition) e a posicionar-nos como empresa atrativa para novos talentos.»

Que conteúdos podem e devem ser divulgados?

Para uma estratégia eficaz de employer branding nas redes sociais – e num mercado cada vez mais competitivo –, o conteúdo divulgado tem de ser pensado e deve estar a par das tendências do meio digital. Teresa Lopes Gândara fala-nos de um formato de conteúdo que está sem dúvida no pódio dos preferidos dos utilizadores das redes sociais: o vídeo. «O vídeo é um dos tipos de conteúdo com maior potencial e também com melhores níveis de engagement e recetividade nas redes sociais. É uma excelente forma de humanizar a marca e criar uma maior ligação emocional com o público, permitindo-nos divulgar a cultura e o ambiente que se vive na organização, quer nos nossos escritórios, quer nos eventos internos que organizamos. São também o formato ideal para apresentarmos o “Lado B” dos nossos talentos. O dia a dia na Noesis, a relação entre colegas e equipas, e o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional são alguns dos temas em destaque e que permitem a um candidato conhecer melhor a organização», revela a profissional. Além do vídeo, a Noesis aposta ainda na partilha das sessões do programa de formação de talentos Noesis Academy; dos fóruns online organizados; de artigos de opinião e artigos do blog da empresa, escritos pelos colaboradores; e de Open Days e meetups organizados em conjunto com a comunidade académica – estes são alguns dos conteúdos que fazem parte do plano de publicações e da estratégia de employer branding da Noesis.

Redes sociais enquanto instrumentos de recrutamento

As empresas recorrem maioritariamente ao LinkedIn como ferramenta auxiliar no recrutamento, uma vez que a rede social permite não só a divulgação de anúncios por parte das empresas, mas também a “autopromoção” por parte dos candidatos, sem limites geográficos.No caso do setor tecnológico, Teresa Lopes Gândara relembra que há uma grande dinâmica no que diz respeito à captação de talento perante a situação atual, o que pode dar origem a alguns desafios no recrutamento. Neste setor, a capacidade para atrair a pessoa certa para o lugar certo é fundamental. «As redes sociais apresentam-se como um excelente canal nos processos de recrutamento. Primeiro, permitem-nos comunicar a nossa cultura, através da partilha dos nossos valores e das experiências dos nossos talentos e, segundo, possibilitam-nos a comunicação de oportunidades profissionais. A comunicação destas oportunidades é feita maioritariamente através do Linkedin e a publicação é feita pelos nossos próprios IT Recruiters. Este conteúdo é criado tendo em conta uma imagem coerente e as descrições procuram ser claras e apelativas. Hoje em dia, as redes sociais são o nosso principal canal de divulgação de oportunidades e uma das principais fontes de receção de candidaturas», revela a Human Capital Director da Noesis. Nas redes, a empresa toma o cuidado de otimizar as descrições das oportunidades de emprego de modo a serem facilmente rastreáveis pelos motores de busca, e de utilizar hashtags que ajudem a promover os anúncios de emprego.

Teresa Lopes Gândara
Human Capital Director, Noesis