global

A IA ao Serviço da Defesa, Mas Também do Ataque! 

A inteligência artificial desempenha um papel preponderante no âmbito da proteção contra os ciberataques a instituições bancárias. Mas os tempos mais recentes trouxeram à luz do dia uma outra realidade preocupante: a IA está também a ser usada pelos hackers para criar ataques cada vez mais fortes e mais credíveis.  

A IA ao Serviço da Defesa, Mas Também do Ataque!

Quais são, afinal, as ameaças mais prevalentes para o setor financeiro e como neutralizar os ataques? Estes foram pontos de partida para a apresentação de Mariana Pereira, Director of Email Security Products da Darktrace na mais recente edição do Digital Innovation Connection.  

Mariana Pereira lembra que estamos perante uma nova esfera de ameaças, num mundo em constante mudança e no qual os ataques também “evoluem da mesma forma”. E recordemos apenas que “65% das empresas financeiras foram alvo de um ataque cibernético em 2020”. Ataques esses que vão dos mais simples aos mais complexos, dos mais aos menos eficazes, mas sempre muito direcionados.   

A falta de profissionais qualificados, capazes de dar resposta às necessidades de uma área em permanente mudança poderá esta na origem desta realidade, mas não é, seguramente, a única questão a considerar: “A transformação digital tem vindo a crescer e o risco aumenta na mesma medida, num mundo em que todos os seres humanos são falíveis.”  

A inteligência artificial assume aqui um papel importante seja do lado da defesa seja do ataque. Na verdade, recorrendo a ferramentas de IA torna-se possível detetar e-mails fraudulentos e inativar esse tipo de ataques que, sabemos todos, aumentaram substancialmente durante a pandemia seja em matéria de transações eletrónicas seja com cartões de crédito. O conceito de self-learning AI entra em campo para promover a segurança.  

Mas temos o reverso da medalha que se reflete, neste caso, no recurso à inteligência artificial por parte dos hackers para automatizarem, também eles, o processo de criação dos e-mails falsos. “A IA foi capaz de escrever emails de phishing melhores do que os escritos por seres humanos e isso é muito preocupante “diz. O que fazemos então agora para garantir a segurança? “Atacamos fogo com fogo”, sustenta Mariana Pereira.  

Mariana Pereira
Director at Darktrace, and Co-Founder at Ben's Muffins