dados

Data Literacy, a Chave para o Futuro dos Dados

Será que todas as organizações já aprenderam este “idioma”?

Ao longo dos últimos anos, os dados têm se tornado cada vez mais essenciais no desenvolvimento do negócio das empresas. Desta forma, torna-se cada vez mais premente que o mundo organizacional dê sentido aos dados e encontre a relevância entre o “ruído” e manancial de dados disponibilizado pelos diversos sistemas, no seu ecossistema tecnológico.

Atualmente, os dados ocupam o centro do palco e a receita para o sucesso está diretamente relacionada com a capacidade para os tratar, interpretar e extrair informação relevante dos mesmos.

Mas então, o que quer dizer Data Literacy?

Data Literacy é, por definição, a capacidade de aceder, ler, interpretar e demonstrar os insights descobertos e, posteriormente, agir e tomar decisões com base nos mesmos. No atual ecossistema organizacional, as grandes empresas deixaram de ser as únicas a ter capacidade de criar grandes repositórios de informação, nomeadamente data lakes ou real time analytics. Estes são conceitos cada vez mais democratizados, felizmente, colocados à disposição das organizações, independentemente do seu sector de atividade ou dimensão.

Com a massificação da cloud, a grande maioria das organizações consegue, nos dias de hoje, de forma mais fácil e acessível, ter acesso a mais informação. A verdade é que esta acessibilidade crescente aos dados coloca um novo desafio no seio das empresas, a capacidade de análise e de interpretação desses mesmos dados.

Sem qualquer dúvida, podemos dizer que os dados são a nova linguagem dos negócios, mas a questão que se coloca é a seguinte: será que todas as organizações já aprenderam este “idioma”?

Não, necessariamente.

Segundo a Forrester, 60 a 73% dos dados corporativos não chegam a ser analisados e menos de 10% das empresas são consideradas data-centric, o que ilustra de forma bem significativa todo o potencial que ainda não é aproveitado pelas organizações. Por outro lado, as maiores empresas do mundo e aquelas com maior revenue são empresas data-centric, isto quer assim dizer, que existe um fosso crescente entre as empresas mais sofisticadas no que toca à análise de dados e a generalidade das organizações. Há, portanto, um grande potencial de evolução, e um enorme esforço a fazer no que toca ao tema da literacia de dados. Este caminho está também identificado nas principais trends e previsões desta área. Estima-se que até 2023, 80% das empresas irão investir em data literacy.

Neste sentido, e para que as organizações entendam o caminho a fazer no tema da análise e da literacia de dados, devem colocar a si mesmas as seguintes questões:

1. Confia nos dados disponíveis na sua organização? Se não, porquê?

2. Faz as perguntas corretas sobre os seus dados?

3. Os seus executivos ainda tomam decisões baseadas em good feelings e intuição?

4. Tem uma cultura empresarial onde os colaboradores, de diferentes departamentos, se sentem confortáveis em “desafiar” os executivos, com base em dados?

A verdade é que, nos dias de hoje, as organizações, apesar de terem acesso aos dados, não apresentam uma cultura em literacia de dados. Num estudo realizado pela Qlik, foi identificado que apenas 24% dos decisores de negócios se sentem confortáveis com uma utilização eficaz dos dados dentro das suas organizações; 32% dos executivos C-level são classificados como data driven e, por fim, apesar de 92% afirmarem que é realmente necessário este conhecimento dos dados, somente 17% sentem que podem, efetivamente, trabalhar com os mesmos.

Os benefícios de tirar partido dos dados e da correta interpretação dos mesmos, são evidentes:

1. Informação mais rápida e acessível

Com uma correta utilização dos dados, a organização tem acesso a todo o tipo de informação de forma imediata e em tempo real.

2. Melhor capacidade na tomada de decisões

O processo de tomada de decisão, ao incluir mais informações, baseadas nos dados disponíveis, será mais suportado em factos e menos intuitivo, proporcionando melhores decisões…e melhores resultados.

3. Vantagem Competitiva

A utilização correta dos dados acrescenta uma vantagem competitiva, na medida em que o processo de tomada de decisão é mais rápido, face à concorrência.

4. Maior engagement dos colaboradores

Os dados, ao estarem disponíveis a todos os colaboradores e diferentes áreas funcionais da empresa, poderá proporcionar uma maior engagament entre os mesmos, maior conhecimento do negócio e, consequentemente, melhores resultados organizacionais.

Em suma, Data Literacy será determinante no futuro e no sucesso das organizações. Atualmente, já não basta ter dados e a capacidade instalada para os extrair, tratar e disponibilizar. É necessário ir além da tecnologia e fomentar uma verdadeira cultura data-centric, capacitar as equipas para a interpretação de toda a informação recolhida e disponibilizada. Torna-se necessário assumir que, neste momento, vivemos num contexto de iliteracia de dados, um cenário que urge mudar. O caminho passa por dar conhecimento e capacitar os seus recursos humanos. Os dados já não podem ser um exclusivo dos departamentos de TI, mas sim algo acessível a toda organização.

Luís Gonçalves 
Data Analytics & AI Director na Noesis