banner_post-03-03-01-02

Design Thinking: a inovação na resolução de problemas

Apesar de ser frequentemente ignorada, existe uma relação entre design e economia. A inovação é o elo de ligação entre estes dois conceitos – sendo que inovação através do design tem implicações diretas na economia.

De acordo com Oakley (1990), o design dedica-se a tornar uma invenção numa inovação bem-sucedida que serve as necessidades de um público-alvo. 

O conceito de design thinking age aqui como um guia estruturado para a inovação. Consiste num processo cognitivo, estratégico e prático para desenvolver conceitos de design.

Com base neste processo, o designer consegue compreender as necessidades dos utilizadores, desafiar os pressupostos conhecidos, redefinir os problemas a abordar e criar soluções criativas seguidas de prototipagem e testes. Assim, a partir dos protótipos resultantes do processo, surgem soluções e aprende-se com os eventuais erros.

Torna-se então mais fácil usar o pensamento criativo para abordar questões pouco estruturadas ou desconhecidas, através de 5 fases - Empatizar, Definir, Idealizar, Prototipar e Testar (Empathize, Define, Ideate, Prototype, Test).

1_qH-TAwQkjpm9IDwDINl5lw

Estas cinco fases contribuem para o projeto no seu todo, sendo o seu objetivo atingir a total compreensão do problema, do ponto de vista do cliente/utilizador para que seja possível criar a solução ideal.

Usando estas etapas como guia, foi determinado (Danielly F.O. de Paula, Bianca H.X.M. Menezes e Cristiano C. Araújo) que é possível utilizar com sucesso o processo de Design Thinking juntamente com normas de User Experience e usabilidade no desenvolvimento de ambientes informáticos, mesmo não tendo experiência prévia no uso deste processo.

De acordo com Katja Tschimmel, recorrer ao Design Thinking é capaz de beneficiar qualquer profissional cuja atividade envolva a resolução de problemas e comunicação de novas ideias de um modo criativo.

Para existir inovação, tem primeiro que se começar com a invenção que advém da necessidade de resolução de um problema. A invenção está no início de um processo de inovação, processo esse que pode ou não vir a ser efetivado - pode estagnar na fase de invenção por exemplo, por falta de meios ou capacidade para o seu desenvolvimento. 

Para que este processo tenha continuidade, é necessário que haja uma produção, comunicação e alguém que procure e receba esta solução. Só assim se garante uma continuidade e retorno ao investimento feito.

Apesar de existirem várias inovações ao nível de novos produtos criados a partir de necessidades - computadores; telemóveis; veículos - a grande maioria das inovações consiste em incrementos que valorizam o que já existe e preenchem novas exigências que vão surgindo.

A par com esta noção de inovação incremental, estão produtos extremamente conhecidos, que no seu início não tiveram o sucesso esperado:

  • Spotify - quando surgiu na Europa em 2018, apenas 0.1% dos utilizadores de Internet pagavam uma subscrição de um serviço de música. Com a ajuda de algumas alterações a nível de funcionalidades e uma campanha de marketing viral, o Spotify tem hoje mais de 286 milhões de utilizadores, 45% dos quais a pagar subscrição.
  • IPod - inicialmente, este MP3 não foi um sucesso devido ao preço e à falta de compatibilidade com o Windows. No entanto, após melhorias e correção da incompatibilidade com dispositivos Windows, o IPod tornou-se o producto número 1 da Apple, vendendo mais de 400 milhões de unidades.
  • Xbox - quando foi feito o anúncio que a Microsoft iria apostar no mercado das consolas de jogos, o entusiasmo por parte do público ficou aquém do desejável. Tendo noção das vantagens das empresas concorrentes, a Microsoft optou por uma estratégia criativa: comprou a empresa de jogos Bungie Studios e tornou o famoso jogo Halo: Combat Evolved num exclusivo da Xbox. O jogo quebrou os recordes de vendas e a Xbox esgotou em vários pontos de venda.

Esta é uma metodologia de resolução de problemas que constitui uma ferramenta valiosa para qualquer empresa, uma vez que fornece a possibilidade de inovar, criar ou redesenhar qualquer produto ou serviço de modo a que melhor sirva as necessidades do utilizador. 

O Design Thinking é um processo que nos ajuda não só a ter ideias, mas a ter as ideias certas.