banner_post_03_3

Swarm Intelligence: A Internet e os Media Digitais na atualidade.

Cada vez mais, a web sai dos ecrãs dos computadores e reinventa-se de um modo mais portátil. Muitos utilizadores já optam por ter um tablet em vez do típico desktop, e cada vez mais se aproveita a praticidade do telemóvel para consultas rápidas.

Sendo que a web e os media digitais estão cada vez mais presentes, temos mais hipóteses de estudar o comportamento associado ao seu uso. Um exemplo destes estudos é o uso da Swarm Intelligence - inteligência de enxame - no desenvolvimento dos algoritmos de inteligência computacional de modo a reproduzir o padrão de comportamento coletivo dos sistemas auto-organizados. 

Esta área está ligada ao comumente chamado “comportamento de manada”, no qual se verifica que indivíduos de um grupo reagem todos da mesma forma, ainda que nada lhes indique o que fazer. Estas analogias entre o estudo do comportamento animal e humano pode ser verificado por exemplo, nas bolhas especulativas do mercado, ou mesmo em situações tão simples como a criação por parte dos transeuntes de trilhos mais diretos para determinado ponto ao invés de seguirem pelos caminhos já existentes. 

A par com estes estudos, adaptou-se o conceito de estigmergia ao uso da web. 

A estigmergia é o mecanismo de coordenação indireta através do ambiente, entre agentes ou ações, que foi observado inicialmente em grupos de insectos com comportamentos aparentemente estruturados e organizados. 

desktop-04-02

É possível estabelecer um paralelo entre este mecanismo e o uso da internet, no qual o ambiente é a web, os agentes são os utilizadores e os artefactos são os sites e aplicações. O site Wikipédia é um exemplo claro de como o comportamento de grupo pode manipular e definir a forma e conteúdo de um site. Também as redes sociais, como o Facebook ou Instagram são elementos definidos pelo comportamento dos seus utilizadores.

Tal como as feromonas deixadas pelos animais, que funcionam como mensagens sociais com determinadas instruções implícitas, os utilizadores da web deixam inconscientemente sinais que influenciam o comportamento  dos seus pares.

Tal como o trilho criado na relva por quem já passou, que influencia os restantes peões a seguirem o mesmo caminho, os interfaces das redes sociais que partilham o número de visualizações e gostos das publicações também indicam o caminho a quem se depara com estes conteúdos, apesar de ser um comportamento não intencional.

Quando aplicadas estas teorias ao mundo digital, comprovam-se os benefícios pelo sucesso de sites altamente personalizáveis e adaptáveis ao seu utilizador. A estigmergia é um modelo útil para compreender os conceitos de auto-organização e auto-contextualização aplicados ao conteúdo web.

No entanto, apesar do sucesso demonstrado por alguns sites, a estigmergia no mundo digital ainda apresenta diferenças significativas quando comparada ao comportamento no mundo real. Isto deve-se ao facto de a liberdade de expressão e escolha serem restringidas pelas funcionalidades do site ou aplicação.

Talvez no futuro, a estigmergia e tecnologia se juntem para desenhar não só melhores interfaces na web, como também no mundo fora dos ecrãs.